APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

apoie@agenciamural.org.br

Agência de Jornalismo das periferias
Image

Familiares e amigos mostram legado de Sabotage para além da música

Léu Britto/ Agência Mural

Maestro do Canão revolucionou a história do hip hop brasileiro e ainda é um dos principais pilares da cultura popular periférica

Por: Isabela do Carmo

Notícia

Publicado em 08.02.2024 | 12:58 | Alterado em 08.02.2024 | 15:04

Tempo de leitura: 7 min(s)

Mauro Mateus dos Santos no RG, Maurinho para os mais íntimos e Sabotage para grande parte da sociedade. O Maestro do Canão trouxe por meio das vivências nas ruas de São Paulo, a real essência de um multiartista, com um legado que atravessa gerações.

Mas quais são essas marcas deixadas pelo rapper que é um dos homenageados no Carnaval deste ano, com uma ala na escola de samba Vai-Vai? Para trazer o legado de Sabotage, a Agência Mural ouviu pessoas próximas ao artista que morreu há 21 anos.

Entre familiares e amigos, eles puderam contar quem foi o Sabotage para além da música. Nascido em 3 de abril de 1973, cria da favela do Canão, no Capão Redondo, na zona sul de São Paulo, Sabotage foi um rapper, compositor e ator. Mais do que isso, foi filho de Ivonete e Júlio, pai de Wanderson e Tamires, companheiro de Maria Dalva, com quem viveu na favela do Boqueirão, e o grande amigo do DJ Hadji.

Vai-Vai-homenageia Sabotage no Carnaval de 2024 @Fábio Martins/ Divulgação

SAMBA  E FUTEBOL

No futebol, era Corinthians, já no samba, era Vai-Vai. Na canção: ‘Respeito É Lei’ – Sabotage cita a escola de samba da Bela Vista. Mal sabia que, anos depois, ele seria um dos grandes homenageados do ‘samba enrê’.

Neste Carnaval de 2024, no dia 10 de fevereiro, a comunidade da Saracura trará ao Sambódromo do Anhembi o enredo: ‘Capítulo 4, Versículo 3 – Da Rua e do Povo, o Hip Hop: Um Manifesto Paulistano.’. Sabotage será um dos grandes artistas referenciados na passarela do samba, em diversos quesitos da agremiação.

Para o filho mais velho de Sabotage, Wanderson Mateus, 31, e empresário, o pai estaria extremamente feliz pela homenagem da escola do coração. “Ele estaria cantando e vibrando junto, ele amava muito o Vai-Vai”, aponta.

Família criativa

Enquanto criança, Tamires Rocha, 29, empresária, cantora e moradora da favela do Boqueirão, observava a carreira do pai com muita lucidez. “Via as pessoas indo entrevistá-lo em casa, ele indo aos estúdios e se preparando para os shows.”, afirma.

Como se tivesse um “lado B”, Sabotage demonstrava um lado companheiro à família, sobretudo aos filhos e à esposa. “A gente participava da criação das letras, ele compartilhava as batidas conosco e perguntava o que nós achávamos”, relata Tamires, que é a filha caçula do Sabotage.

No entanto, ainda na ingenuidade da infância, Tamires não compreendia a real grandiosidade que Maurinho representava para o cenário musical brasileiro. “Sabia que ele era um cantor, mas não da proporção que ele tinha. Mas me lembro dele nos levar para participar dos shows, subir aos palcos e cantar ‘Rap é Compromisso’ com ele”, conta.

Embora ele fosse uma personalidade que cantasse sobre as durezas socioeconômicas vivenciadas por um negro favelado, Sabotage ainda premitia se encantar pelas melodias doces de uma canção infantojuvenil.

“Teve uma vez que ele foi nos levar à escola, mas ao chegar lá, estava tocando a música: ‘Aquarela’, do Toquinho. No mesmo instante, o meu pai disse: ‘Nossa… essa é a minha música, eu gosto tanto dela.”.

Para além disso, a jovem também se recorda que, mesmo que o pai estivesse imerso na produção musical, ele distanciava-se dessa atividade para dar a devida atenção aos filhos. “Ele parava tudo o que estava fazendo para nos dar almoço, ovo e linguiça era o que ele mais fazia pra nós. Depois de nos servir, aí sim ele voltava a compor novamente.”, disse.

Maria Dalva (centro) é mãe da Tamires e do Wanderson, ela foi companheira do Sabotage @André Porto

Sabotage com os filhos @Arquivo pessoal

Dj Hadji e Sabotage se conheceram no início da carreira do rapper @André Porto / Divulgação

Dama Tereza

Maria Dalva e Mauro Mateus se conheceram ainda crianças, na época da escola, na favela do Canão. Passados os anos, o casal decidiu trilhar um caminho junto, onde Maria passa a acompanhar Mauro nas batalhas de rima e de breaking.

Eles se conheceram na infância. Ela viu todos os processos deles, sabe? Nunca deixou de acreditar nos sonhos dele, sempre o apoiou. Acompanhava ele nas gravações e nos shows”, relata Tamires sobre a relação dos pais.

Quando a agenda artística de Sabotage começou a ficar mais ‘apertada’, foi Maria Dalva quem segurou as pontas dentro de casa, cuidando das crianças e da rotina de organização do lar.

A companheira também ajudava a construir as letras, rima e possíveis batidas de uma canção. “Ela ajudava nas bases, nos blocos das músicas que ele cantava. Ela mostrava o que achava legal”, reforça a filha.

Musa inspiradora de ‘Love Song ’ e ‘Dama Tereza’, Maria Dalva foi um dos principais pilares para a ascensão do rapper. “Até hoje, no legado do Sabotage, é ela quem está por trás de tudo. Quando o meu pai estava vivo, era ela quem estava com ele no cotidiano.”, afirma.

Para Wanderson, o pai era um verdadeiro sonhador, além de ser um grande professor às pessoas de modo geral. Já que sempre gostava de repassar conselhos sobre como ser um bom sujeito na vida.

“Ele só se envolveu com coisa errada [tráfico de drogas] pois ele foi imposto por conta da necessidade financeira, porque ele gostava de escolher as coisas, ele sabia o que era certo e o que era errado.”, disse.

Wanderson, filho do Sabotage fala da trajetória do rapper antes da fama @Léu Britto/ Agência Mural

No auge dos anos 1980 e 1990 no Brasil, o caminho da vulnerabilidade social já era quase que certo para um homem negro retinto, sobretudo de origem periférica e sem conclusão do ensino fundamental.

Segundo Wanderson, o pai nunca se orgulhou de ter passado, ao longo da juventude, pela vida do crime. Foram diversas tentativas para sair desse caminho marginalizado, em busca de alcançar outras fontes de renda.

“Teve uma época em que ele saiu do tráfico de drogas e começou a trabalhar na feira. Ele montava e desmontava a barraca, ficava a madrugada toda até terminar [esse processo]. Ele ganhava R$ 10 por dia trabalhando”, relata.

Desde a morte do Sabotage, ocorrida no dia 24 de janeiro de 2003, o cenário estrutural das periferias mudou, principalmente em uma grande metrópole como São Paulo. No entanto, alguns quesitosainda se assemelham aos das décadas anteriores.

Tamires, cantora e moradora da favela do Boqueirão @Léu Britto/ Agência Mural

Para Tamires, Sabotage ajudou a sociedade a refletir sobre como o direito à cidade era inexistente nas quebradas paulistanas. “Ele falava do que estava acontecendo nas favelas, mas as músicas deles ainda continuam muito atuais […] O que ele fala é atemporal.”, disse.

‘Agora tem mais escolas, saneamento básico e espaços culturais nas favelas, antigamente isso não existia. Mas ainda vemos o racismo, discriminação social e falta de emprego para pessoas das periferias’.

Tamires, filha do Sabotage

Assassinado com quatro tiros pelas costas, mesmo há mais de dez anos longe da vida do crime, Sabotage conseguiu deixar palavras de denúncia por meio das músicas, utilizando o hip hop, funk e samba, como forma de protesto.

“O legado dele não é só o nome Sabotage, ele faz muitas coisas dentro das pessoas que a gente nem imagina, dentro de casas que a gente nunca entrou, mas a música dele entrou e resgatou a vida das pessoas.”, encerra Tamires.

Atualmente, Tamires, Wanderson e Maria Dalva atuam no legado do Maestro do Canão, como a gestão do Centro Cultural Sabotage, localizado na Praça Frei José Maria Lorenzetti, no bairro Saúde, zona sul de São Paulo. E, também, nas produções da marca Sabotage.

Diretamente da Brasilândia, na zona norte de São Paulo, mas atual morador de Franco da Rocha, DJ Hadji, 47, foi o DJ e amigo de Sabotage, bem no início da carreira do Maestro do Canão.

Ainda nos anos 1990, ambos trocaram ideia pela primeira vez em uma festa, na qual Hadji discotecou nos intervalos dos outros artistas e Sabotage abriu o show do Grupo RZO (Rapaziada da Zona Oeste) – composto por Sandrão, Helião, Negra Li, Calado e DJ Cia.

Dj Hadji com a capa do disco do Sabotage @Léu Britto/ Agência Mural

Hadji conta que ficou impressionado pelo jeito único do rapper. “O Sabotage se destacava por conta do penteado dele e daquele jeitão acelerado.”, reflete.

Após muitos encontros em meio às festas em que os dois se cruzavam, o famoso Maurinho fez uma proposta para Hadji, o convidando para tocarem juntos. Porém, pensativo com a situação, o DJ demorou alguns dias para aceitar o convite do cria do Canão.

“Ele já tinha me convidado [para ser DJ] mas eu ainda não tinha aceitado porque eu não botava fé nele, não o conhecia muito bem […] Mas depois, em casa, eu refleti sobre a proposta e aceitei tocarmos juntos.”, diz.

Bem na época em que aceitou o convite para ser o DJ de Sabotage, Hadji intercalava a discotecagem nas noites paulistanas com um trabalho em uma gráfica. Quando os shows começaram a ser mais frequentes, o DJ entrou de cabeça no universo do rap, se consolidando na carreira musical.

Dj Hadji destaca os bons momentos com o rapper Sabotage @Léu Britto/ Agência Mural

“Nós não parávamos de fazer show, era toda semana, a gente não tinha tempo para pensar, sabe?”. Em sequência, Hadji conta que, nos bastidores, Sabotage não parava de escrever as letras para o primeiro álbum de estúdio, o ‘Rap é Compromisso’. Em qualquer oportunidade, o Maestro do Canão mandava uma rima.

“Ele estava muito feliz com aquilo, tudo o que ele queria era rimar. Então ele anotava as letras em tudo, era papel de pão, maço de cigarro e por aí vai.”, conta.

Além disso, DJ Hadji lembra que Sabotage não tinha limites, não era uma personalidade que ficava preso dentro de uma caixinha e performava em diversos campos das artes e da música, no rap, no samba até no cinema.

Atuante na produção e atuação do filme “Carandiru” (2003) – Sabotage também ajudou a construir a trilha sonora do filme “O Invasor” (2001). Para Hadji, Maurinho engrandecia a população periférica e fazia questão de inserir amigos e colegas na ascensão das novas mídias.

Filhos do rapper com a foto de recordação e a camiseta @Léu Britto/ Agência Mural

“Sabotage levou todo mundo da quebrada pro cinema, levou todo mundo do rap pro filme ‘Carandiru’. Ele quem colocou o rap nas telinhas, ele fez uma revolução na história.”.

Como uma recente memória antes do assassinato do amigo e parceiro de profissão, Hadji conta que um dos últimos shows que os dois tocaram juntos foi produzido pelo Chorão, vocalista do Charlie Brown Jr, realizado em uma pista de skate.

No entanto, naquele jeito acelerado e frenético que apenas o Maestro do Canão tinha, o DJ relata que o artista abandonou o palco antes da hora. “Ele cantou quatro músicas porque ninguém estava prestando atenção nele, saiu indignado”, conta dando risada.

DJ Hadji não ocupava apenas um espaço profissional na vida do rapper. Mas sim, transitava pelo campo familiar e afetivo do cantor. “Maurinho era o cara mais bom que existiu, ele não media esforços para te ajudar. Todos da Galeria do Rock amavam ele por conta disso, sabe?”

receba o melhor da mural no seu e-mail

Isabela do Carmo

Graduanda em Jornalismo. Enquanto acadêmica, participou do projeto Geração Futura Juventudes 23 - Oficina de Produção Audiovisual, promovido pelo Canal Futura. Correspondente desde 2023.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para republique@agenciamural.org.br

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.

PUBLICIDADE