APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Jessica Bernardo

Notícia

Publicado em 29.04.2022 | 17:14 | Alterado em 09.05.2022 | 15:45

Tempo de leitura: 3 min(s)

Após oito meses em funcionamento parcial, a estação Bruno Covas/Mendes-Vila Natal, da linha 9-Esmeralda de trens metropolitanos, passará a receber passageiros em horário integral, das 4h até a meia-noite, a partir da segunda quinzena de maio. O anúncio foi feito na quinta-feira (28) pela Secretaria Estadual de Transportes Metropolitanos.

Administrada atualmente pela ViaMobilidade, que assumiu a operação da linha em janeiro deste ano, a estação foi inaugurada ainda em obras, em agosto do ano passado, pelo ex-governador João Doria (PSDB). Desde então, tem funcionado com a chamada operação assistida, que limita a circulação dos trens entre 10h e 15h.

Plataforma na estação Grajaú indica sentido à Vila Natal @Jessica Bernardo/Agência Mural

Moradores da Vila Natal, bairro do Grajaú, na zona sul de São Paulo, criticam a longa espera pela extensão do horário. A advogada Kelly Sampaio, 34, é vizinha à estação e conta que o funcionamento integral ajudaria no deslocamento diário do filho, que tem 15 anos e estuda em uma Etec (Escola Técnica Estadual) na Vila Formosa, zona leste da cidade.

“Ele gasta 40 minutos do [terminal] Grajaú até em casa”, explica Kelly. Com a estação funcionando em horário integral, o jovem eliminaria esses minutos das 2h40 que leva para chegar ao colégio atualmente.

A advogada diz que o transporte público no bairro piorou nos últimos anos, principalmente depois do corte de seis itinerários que atendiam a região. “A gente viu o transporte se degradando. Tínhamos oito linhas e agora só temos duas que não atendem ao bairro em geral”, conta.

As linhas citadas pela moradora são a 6057-10 e a 6056-10, que ligam respectivamente a Vila Natal e o bairro vizinho Parque Santa Cecília ao terminal Grajaú, onde também fica a estação de trem.

Linha de ônibus 6057-10 vai em direção ao terminal Grajaú @Jessica Bernardo/Agência Mural

Ambos os coletivos são motivos de reclamação para quem vive na região. A reportagem da Agência Mural visitou o bairro e conversou com moradores em um ponto de ônibus. Todos os entrevistados criticaram a lotação e disseram que frequentemente precisam esperar vários veículos para conseguir embarcar.

Marcelo Francisco, 38, trabalha próximo ao terminal Grajaú e conta que a demora para conseguir entrar nos ônibus faz com que ele frequentemente se atrase para o trabalho. “Acho que deveria aumentar mais a frota da cooperativa”, diz.

Bibiana Souza, 29, trabalha em uma ONG em Parelheiros, no extremo sul, e também espera bastante para seguir viagem. “Espero quatro ônibus [para conseguir entrar]”, conta.

Ela acredita que, quando a nova estação estiver funcionando em horário integral, a lotação será menor. “A maioria vai para o terminal Grajaú, então poderia pegar [o trem] aqui”.

Antônia Costa, 59, conta que a extensão do horário da estação vai representar uma melhora importante na mobilidade da região aos finais de semana, quando os ônibus têm intervalos de até 25 minutos.

“Você espera e o ônibus não vem. Aí acaba procurando um Uber porque não tem como chegar”, explica ela, que já optou por pagar pelo transporte de aplicativo depois de esperar o ônibus durante vários minutos.

Ônibus lotados são motivo de reclamação em bairro que ainda não tem estação funcionando em horário integral @Jessica Bernardo/Agência Mural

Em nota, a SPTrans diz que monitora diariamente o deslocamento dos passageiros de ônibus na cidade com o objetivo de realizar eventuais ajustes, caso seja constatada a necessidade. Afirmou ainda que a equipe de fiscalização foi acionada e, caso haja alguma irregularidade nas linhas, serão tomadas “ações pertinentes” junto à empresa responsável.

A Secretaria Estadual de Transportes Metropolitanos não respondeu aos questionamentos da reportagem sobre o motivo da estação ter demorado tantos meses para sair da operação assistida.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Jessica Bernardo

Jornalista, cria de uma família de cearenses. Apaixonada por São Paulo, bolos e banhos de mar. Correspondente do Grajaú desde 2017.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para republique@agenciamural.org.br

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.