APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Ponto a Ponto

Fila para balsa na Ilha do Bororé chega a quase 2 horas no fim de semana

Região que fica no Grajaú tem dificuldades para acesso; representante da Associação dos Moradores afirma que há promessas de melhorias na balsa

Image

Por: Karine Gomes

Notícia

Publicado em 28.07.2022 | 16:19 | Alterado em 29.07.2022 | 11:58

Tempo de leitura: 3 min(s)

Não é de hoje que a Ilha do Bororé, localizada no Grajaú, zona sul de São Paulo, é ponto atrativo para quem vem de fora da região e o avanço na mobilidade tem facilitado esse interesse.Porém, a fila para embarque na balsa para atravessar a represa Billings ainda incomoda quem vive pela região.

Moradores ficam de 15 a 30 minutos esperando em dias úteis. Em horário de pico, esse tempo se estende em até uma hora ou mais.

Aos fins de semana, a paciência tem que ser ainda maior, porque a fila cresce consideravelmente por causa da movimentação dos turistas e a espera pode demorar até 2 horas.

“Por muito tempo nós pedimos por uma balsa maior que comporte cerca de 30 a 40 carros”, afirma Anatália Jesus da Rocha Ciliano, 57, presidente da Amib (Associação dos Moradores da Ilha do Bororé).

Ônibus em direção à Ilha do Bororé estacionado no ponto final @Karine Gomes/Agência Mural

As balsas atualmente são operadas pela EMAE (Empresa Metropolitana de Águas e Energia), que diz que fará melhoras para o próximo ano, segundo Anatália. “A EMAE prometeu que, até o final de 2023, irá nos disponibilizar uma balsa maior. Ela terá uma faixa exclusiva para carros, motos e preferenciais. Isso é o que eles dizem”.

A situação teve melhoras recentes no sistema que é composto por três balsas. Até 2017, a primeira balsa, conhecida como Bororé, comportava apenas 10 carros – sete quando o ônibus da única linha da região também embarcava.

Em outubro de 2018, o governo de São Paulo fez as trocas e aumentou a capacidade. Agora ela comporta 22 carros – 19 com o ônibus – e leva até três minutos para atravessar a represa Billings.

Wendersson Ferreira, 29, saiu do Jardim Mirna, também no Grajaú, para morar na Ilha do Bororé com a noiva Samara Freitas. Ele avalia positivamente o transporte e diz que os horários do ônibus costumam ser pontuais, mas faz ressalvas.

“Você tem que ter o horário regrado porque, se atrasar um minuto, perde o ônibus e até passar outro você já perdeu o seu horário”

Wendersson Ferreira, 29, morador da Ilha

Ferreira trabalha como segurança do Hospital Geral do Grajaú e usa carro próprio. Por causa do horário, ele consegue fugir do horário de pico. “Enquanto estou saindo da ilha, tem muita gente voltando e eu vejo como a fila é grande. Uma balsa maior não resolveria totalmente o problema, mas adiantaria muito o tempo de espera dos moradores”, comenta.

Enquanto a balsa maior não chega, há outra opção para sair da ilha para quem dirige. A avenida Paulo Guilguer Reimberg, mais conhecida como estrada do Poeirinha, como já diz o próprio nome, é um caminho alternativo composto parcialmente por terra que faz ligação com o bairro Varginha.

São em torno de 11 quilômetros de estrada. Apesar da distância, por ali há uma paisagem admirável que faz valer a pena a viagem.

Anatália é presidente da Associação dos Moradores da Ilha do Bororé @Arquivo pessoal

Outras opções já foram cogitadas, mas descartadas. Anatália explica que a construção de uma ponte ou estrada de terra já foi um assunto pensado pelo poder público.

Ela se refere ao possível desmatamento da região em caso de aumento da circulação da população pela ilha, que é uma área de preservação ambiental protegida por lei.

O Bororé faz parte do Polo de Ecoturismo de São Paulo, junto com os distritos vizinhos Parelheiros e Marsilac, e não pode sofrer intervenções sem que haja uma autorização vigente. O fato do local ser um patrimônio cultural também é um dos fatores que favorece os cuidados.

“Uma ponte facilitaria muito o acesso à região e, consequentemente, a comercialização, mas não é isso que eles querem”, afirma a líder comunitária. “Qualquer plano de ação que culmine no aumento da população acaba sendo brecado. Tanto o poder público quanto os moradores não gostam da ideia”, diz.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Karine Gomes

Jornalista graduada pela Universidade Cruzeiro do Sul. Interessada na causa social e animal. Desde a infância esteve voltada para questões sociais, antes como beneficiária, hoje no campo de fala. Correspondente do Grajaú desde 2022.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para republique@agenciamural.org.br

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.