APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Redação

Notícia

Publicado em 02.10.2022 | 18:52 | Alterado em 03.10.2022 | 13:00

Tempo de leitura: 3 min(s)

A votação nas periferias da Grande São Paulo neste domingo (02) foi marcada por longas filas, demora para registrar o voto e ruas cheias dos famosos “santinhos” – panfletos com propaganda de candidatos.

Em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, a ​escola estadual Francisco Prestes Maia ficou lotada de eleitores ao meio-dia. As longas filas para acessar as seções eleitorais fizeram com que algumas pessoas desistissem de registrar o voto naquele horário.

O mesmo ocorreu no bairro Jardim Cipava, em Osasco. Na escola municipal Oscar Pennacino, uma urna teve problemas às 8h e só foi substituída às 10h30. No restante do dia, a escola seguiu com filas – por volta das 14h, eleitores esperavam até 1h para conseguirem votar.

Segundo o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), 3.222 urnas foram substituídas, o equivalente a 0,68% do total.

Em Guarulhos, segunda maior cidade do estado, as filas avançaram para os corredores da escola estadual Brigadeiro Haroldo Veloso. Eleitores que chegaram às 11h no local passaram 40 minutos para conseguir registrar o voto.

Em Guarulhos, panfletos com propaganda de candidatos se espalham pelas ruas @Mateus Fernandes/Agência Mural

No CEU (Centro Educacional Unificado) Feitiço da Vila, no Capão Redondo, zona sul de São Paulo, algumas filas chegaram a se misturar com as de outras salas, o que causava uma pequena confusão para o eleitor se localizar.

Os arredores da escola também tiveram fluxo intenso de pedestres e automóveis. Além do CEU, há outros dois colégios eleitorais na própria rua Feitiço da Vila e nas vias paralelas, o que fez o trânsito piorar consideravelmente.

Na escola municipal José Querino Ribeiro, no Parque do Carmo, zona leste da capital, a fila de eleitores já estava formada desde a manhã, antes mesmo dos portões serem abertos.

O diretor-geral do TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo), Claucio Corrêa, atribuiu o atraso em algumas seções eleitorais ao uso da biometria para identificação dos eleitores.

“A biometria não é um meio ágil de votar, é um meio seguro de votação. Ela serve para garantir que o eleitor que comparecer perante a mesa receptora de votos realmente é de fato quem diz ser. É este o objetivo da biometria: trazer mais segurança para o resultado das eleições”, afirmou.

Depois de uma ampla campanha pelo cadastramento biométrico em 2019, o número de eleitores com biometria registrada aumentou de 45,15% do eleitorado de São Paulo, em 2018, para 67,13% neste ano.

Em Osasco, chão de creche também acumulou os chamados santinhos @Ariane Costa Gomes/Agência Mural

Outro destaque da votação nas periferias neste domingo foi a sujeira das ruas. Na zona sul, a rua da escola municipal Cassiano Ricardo, no Parque Bristol, região do Sacomã, ficou repleta de santinhos. O cenário foi o mesmo na região da EMEF (Escola Municipal de Ensino Fundamental) Ricardo Vitiello, no Capão Redondo.

Em Osasco, a reportagem da Agência Mural flagrou pessoas fazendo boca de urna na EMEF General Antônio de Sampaio, em Quitaúna, para o candidato a deputado estadual Gerson Pessoa (Podemos). O político é cunhado do prefeito Rogério Lins, do mesmo partido. A distribuição de santinhos e outros materiais impressos é proibida no dia das eleições.

Apesar dos problemas para a votação e da sujeira nas ruas, eleitores se mostraram animados com o pleito. A aposentada Joventina Maria Alves Lima, 79, votou no bairro Jardim São José, no Capão Redondo, e disse que a data é importante para a democracia.

“Só parei de votar na época da Ditadura Militar porque não se votava, mas depois eu continuei votando. Não deixo de votar em nenhum ano, para mim é importante”, afirmou.

Votando pela primeira vez, o jovem João Guilherme, 18, acredita que a eleição é um momento relevante para a escolha dos próximos representantes. Ele votou na escola estadual Professor Firmino Ladeira, em Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo.

“Acho importante as pessoas votarem porque elas podem escolher o candidato que mais se encaixa no que elas querem para a cidade e o país”

João Guilherme, morador de Mogi das Cruzes

Roselicomemora o movimento de pessoas em Perus @Ira Romão/Agência Mural

Em Perus, na zona noroeste de São Paulo, a vendedora de pipocas Roseli Sousa comemorou o movimento na escola estadual Brigadeiro Gavião Peixoto. “Tem muito eleitor aqui, então rende bastante”, contou a vendedora.

A votação em todo o país terminou às 17h. Os resultados serão divulgados pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) ao fim das apurações.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Redação

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para republique@agenciamural.org.br

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.