APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Zeca Ferreira

Notícia

Publicado em 11.03.2022 | 12:28 | Alterado em 22.03.2022 | 20:16

Tempo de leitura: 4 min(s)

Após 60 dias operando sob supervisão da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), a Via Mobilidade, consórcio formado pelos grupos CCR e Ruas, completou um mês de administração efetiva das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda no dia 27 de fevereiro.

A concessionária é a primeira empresa privada a gerenciar linhas de trens metropolitanos em São Paulo, sendo que a permissão tem prazo de 30 anos. O início da concessão privada à frente das vias, no entanto, está sendo marcado por falhas na operação, transtorno aos passageiros e um acidente fatal.

Na madrugada da última quinta-feira (10), um funcionário da Via Mobilidade morreu em um acidente na estação de Pinheiros durante manutenção de rotina da linha 9-Esmeralda, que circula entre as estações Grajaú, na zona sul da capital, e Osasco, na Grande São Paulo.

No mesmo dia, por volta das 6h, um trem da linha 8-Diamante colidiu contra a barreira de proteção da estação Júlio Prestes, na região central da cidade. O condutor e um passageiro receberam atendimento no local e foram encaminhados a um hospital para avaliação médica.

Para José Claudinei Messias, presidente do Sindicato dos Ferroviários da Sorocabana, a rapidez no processo de concessão e o pouco tempo de treinamento dos funcionários da Via Mobilidade são aspectos importantes para explicar o grande volume de falhas e acidentes.

“É necessária muita especialização para o trabalho nas ferrovias. Não se forma um profissional em poucos meses”, afirma Messias.

“Foi preciso ter um grave acidente e uma vítima fatal para deixar claro o quanto têm sofrido os profissionais contratados para operar e realizar a manutenção dessas linhas.”

José Claudinei Messias, presidente do Sindicato dos Ferroviários da Sorocabana

No início deste mês, outras duas grandes falhas ocorreram na linha Esmeralda. Na sexta-feira passada (4), os trens pararam de funcionar devido a um problema no sistema de alimentação elétrica. Dois dias antes, na quarta-feira (2), a paralisação aconteceu por conta de um princípio de incêndio em cabos externos entre as estações Santo Amaro e Granja Julieta.

O sistema Paese (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência) precisou ser acionado em ambos os casos. Com isso, os passageiros foram transferidos para ônibus lotados para completar a viagem.

Passageiros se queixam do atraso nas linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda, administradas pela Via Mobilidade @Zeca Ferreira/Agência Mural

Ainda no dia 2, os trens da linha Diamante circulavam com velocidade reduzida e maior tempo de espera entre as estações Jandira e Barueri. O problema na operação ocorreu por causa de complicações na rede aérea, sistema responsável pela transmissão de energia elétrica para a movimentação dos trens.

Desde o início da concessão para a iniciativa privada, houve 24 falhas nas linhas 8 e 9, de acordo com um levantamento feito pela TV Globo. Para efeito de comparação, foram registradas 15 ocorrências em 2021.

Entre as sete vias de trens metropolitanos, as linhas 8 e 9 são responsáveis por 35% da demanda – transportando cerca de 1,1 milhão de passageiros por dia útil, segundo o último relatório administrativo da CPTM anterior à pandemia de Covid-19.

Maior tempo de espera

Moradora da Vila Natal, na zona sul de São Paulo, a empregada doméstica Ana Claudia Alves, 50, costumava utilizar a linha Esmeralda todos os dias úteis para chegar ao trabalho em Moema, na zona centro-sul da cidade.

Ela conta, no entanto, que trocou o transporte sobre trilhos por dois ônibus devido às constantes falhas na operação e a percepção de que houve uma diminuição na frequência dos trens.

“O trem costumava ser mais rápido. Sempre cheio [no horário de pico], porém, pelo menos, era rápido. De um tempo para cá, comecei a perceber um aumento no tempo de espera”, diz.

Já a farmacêutica Andressa Limo Moisés, 26, reclama que, além do aumento no tempo de espera, os trens da linha Diamante, com destino a Itapevi, constantemente seguem viagem somente até a estação Barueri.

Para completar o destino, que inclui mais seis estações, os passageiros precisam trocar de plataforma e esperar outro trem, conforme explica a moradora do Jardim Planalto, em Carapicuíba, na região oeste da Grande São Paulo.

“Todo esse processo [de trocar de trem em Barueri] demora uns 10 minutos. Na semana passada aconteceu duas vezes, mas está assim desde o começo do ano. Parece pouco, mas esse tempo é o que faz o trabalhador se atrasar”, relata Andressa.

Troca de trens

Outra queixa frequente dos usuários, principalmente na linha 8-Diamante, é que os trens foram substituídos por modelos mais antigos, sem passagem entre os vagões, o que diminui a área útil dos veículos e atrapalha a distribuição dos passageiros.

Concessão das linhas 8 e 9 para a Via Mobilidade tem prazo de 30 anos @Zeca Ferreira/Agência Mural

De acordo com a CPTM, os trens que circulavam nesta linha foram transferidos para a linha 11-Coral, já que a concessão para a administração privada não inclui os veículos.

A Via Mobilidade, por sua vez, afirmou que adquiriu 36 novos trens e que o primeiro deles “será entregue no segundo ano de concessão, seguindo um cronograma definido no contrato”.

Sobre as constantes falhas na operação, a concessionária respondeu à Agência Mural que “nos próximos meses, as principais mudanças, capazes de conferir mais estabilidade às linhas, já poderão ser sentidas” e que está apurando as causas da recente colisão da linha 8-Diamante.

Por fim, complementou afirmando que a segurança dos passageiros é um compromisso da empresa e que lamenta da morte do colaborador ocorrida nesta semana.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Zeca Ferreira

Estudante de jornalismo na Universidade de São Paulo. Filho de migrantes nordestinos, acredita que a informação tem o poder de transformar realidades. Correspondente de Carapicuíba desde 2021.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para republique@agenciamural.org.br

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.