APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

apoie@agenciamural.org.br

Agência de Jornalismo das periferias

Arquivo pessoal

Por: Malu Marinho

Notícia

Publicado em 09.02.2024 | 10:37 | Alterado em 09.02.2024 | 11:31

Tempo de leitura: 3 min(s)

A passista Lia Moura, 26, é professora de educação infantil, mãe do Noah de 3 anos, uber e influencer nas horas vagas. Mas, apesar de todas essas obrigações, para a pedagoga, o carnaval sempre esteve presente.

A história de Lia com o carnaval começou quando ainda tinha 7 anos. “Eu participava de um projeto para crianças da comunidade, e a minha professora de música me apresentou a Terceiro Milênio, escola que hoje eu desfilo”, relembra.

“É onde eu me sinto bem e à vontade para ser quem sou”, declara. E hoje, ela representa o Grajaú, distrito da zona sul de São Paulo, pela escola de samba Estrela do Terceiro Milênio – que atualmente está no grupo de acesso 1.

A pedagoga comenta que foi destaque na ala infantil e participou de concursos de samba quando, aos 18 anos, entrou na ala de passistas, onde está até hoje.

A relação com o samba e o carnaval foi levada para a sala de aula, onde ela ensina de maneira lúdica para crianças, de até 5 anos, a história do feriado e a importância. “Acho que não tem criança feliz sem uma música, sem uma dança, é onde eu acabo levando as crianças nessa alegria, nessa brincadeira, que são as coisas que eles gostam”, diz a professora.

Lia Moura no desfile da escola de samba Estrela do Terceiro Milênio @Jennifer Cerqueira/ Divulgação

Maternidade e o machismo

Durante a insegurança sanitária da pandemia da Covid-19, que teve início em 2020, Lia descobriu que seria mãe.

“Eu me formei [na faculdade] em 2019, e logo no comecinho de 2020 descobri que estava grávida”, conta.

A professora afirma que se viu como mãe-solo quando Noah tinha apenas 4 meses. Por não receber apoio do genitor tanto nas atividades com o bebê, como em na carreira como passista, revela que teve desafios para conciliar as profissões.

“Eu não queria deixar o meu samba. Meu samba ninguém tira”, diz. Durante a pandemia, a jovem não desfilou e não frequentou os ensaios, tendo em vista as medidas de segurança necessárias para aquele período.

Lia com o filho Noah no ensaio da escola de samba @Jennifer Cerqueira/ Divulgação

Apesar das dificuldades, Lia diz que ser mãe foi um sonho realizado e que ter uma rede de apoio, vinda dos seus pais e irmãs, a ajudou no retorno das atividades na escola Estrela do Terceiro Milênio, e do trabalho como professora de educação infantil.

“Hoje faço apresentações remuneradas aqui no bairro. No período de carnaval, normalmente, os barzinhos e algumas casinhas de show gostam de fazer aquele pré-carnaval”, explica a passista.

A professora revela que sofre julgamento seja pela roupa que veste ou pelo horário do ensaio, e diz que a mulher é sempre criticada, independentemente das escolhas profissionais.

“Eu não sou menos mãe por deixar o meu filho para ensaiar, muito pelo contrário, eu procuro sempre dividir o meu tempo para estar com ele. Às vezes, o homem está fora de casa fazendo coisas muito piores, mas ele não é questionado, é sempre a mãe que tem muitas coisas a ser mudadas”, diz Lia.

“Minha visão sempre foi que a gente não tem que deixar de ser quem a gente é por conta de ninguém, para agradar ninguém. Então, acho que pensar isso foi fundamental para eu ser a mulher que eu sou hoje”, afirma.

Carnaval 2024

Para a passista, ter um carnaval no bairro é importante, entre muitos motivos, para unir e representar a comunidade.

“É importante ter o reconhecimento das pessoas do bairro. Ver o seu amigo, seu vizinho, uma pessoa que estudou com você, alguém conhecido que mora ali perto e frequenta o samba, traz cultura, porque essa é nossa cultura”, comenta.

Como pedagoga, Lia diz que ter um espaço de conexão e cultura é essencial para as crianças e adolescentes do bairro.

“Fica muito difícil a locomoção para quem mora nos extremos, é uma caminhada até chegar lá no centro”. Para a professora, “é uma forma de ser mais acessível para as pessoas das periferias, principalmente aqui da região do Grajaú, que é muito populosa”.

Passista se preparando para o desfile, no carnaval do ano passado. @Arquivo pessoal

Hoje, Lia se relaciona com a também professora Jennifer Cerqueira, 28, e se vê apoiada pela parceira. “Ela sempre vai nos ensaios, me ajuda com meu pequeno”, relata.

Com o carnaval às portas, a passista leva o filho Noah para os ensaios e afirma: “não posso prever o futuro, mas acho que ele também vai para esse caminho [do samba]”.

A jovem tem presença marcada em dois desfiles: um no dia 11 de fevereiro pela Estrela do Terceiro Milênio, e outro no dia 12 pela Império Real. “A gente segue curtindo, aproveitando, que acho que o mais importante é ser feliz e fazer realmente o que gosta”, conclui.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Malu Marinho

Bolsista no curso de jornalismo pela PUC-SP, instituição em que desenvolve pesquisa sobre a comunidade cigana. Apaixonada pela arte, e principalmente pela poesia — por tudo que ela continua fazendo com as letras que a acompanham. Correspondente do Grajaú desde 2023.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para republique@agenciamural.org.br

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.

PUBLICIDADE