APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Patrícia Vilas Boas

Notícia

Publicado em 15.09.2022 | 13:57 | Alterado em 22.09.2022 | 9:27

O Parque Nacional do Juquery, em Franco da Rocha, na Grande São Paulo, teve 80% da sua área destruída em um incêndio em agosto do ano passado. Na mesma cidade, deslizamentos após chuvas causaram mortes na região – um tipo de caso que já levou a mais de 100 vítimas em seis anos, apontou levantamento do G1.

Esse tipo de tragédia nas periferias está ligada a um tema pouco falado nas eleições deste ano: os impactos no meio ambiente e da emergência climática. Ativistas que vivem nas periferias de São Paulo alertam para a necessidade de cobrar políticas públicas sobre o tema, tendo em vista o agravamento desses eventos extremos, enquanto pedem por maior presença das periferias na discussão de soluções.

“A gente, que sabe da nossa realidade, é quem vai lutar mais por ela”, afirma Sueley Cavalcante, 23, ativista e integrante do Fridays for Future, movimento internacional pela ação contra as mudanças climáticas.

Sueley sabe dos problemas. Ela vive no Jardim Guarani, na região da Brasilândia, periferia da zona norte de São Paulo, região que também costuma ser afetada por enchentes no começo de ano. Ela aponta que é difícil que a mudança venha a partir de pessoas que não vivenciaram a realidade da quebrada.

Suely entende que possibilidades tecnológicas que ajudariam a reduzir problemas ainda não avançaram para as periferias @Patricia Vilas Boas/Agência Mural

Ela aponta a falta de água e saneamento básico como exemplos estruturais que já são sentidos pelas periferias e que se agravarão diante da emergência climática global.

“Por mais que a pessoa venha aqui, faça pesquisa in loco, não vai ser a mesma coisa, porque não é o avô dele, o pai dele ou dela, que está vivendo ou está sofrendo (com os impactos).”

Além disso, as propostas tecnológicas para solucionar esses problemas não estão recebendo o financiamento necessário, diz a ativista, e a pauta climática, dentro da atual estrutura de poder no país, acaba sendo relevante apenas para “passar por cima”.

A ativista climática Amanda Costa, 25, concorda. Moradora do Jardim Almanara, também na zona norte de São Paulo, defende uma mudança no modo de fazer política.

“Hoje a política acontece do centro para a periferia. A gente precisa inverter essa lógica, pautar da periferia para os outros espaços”

Amanda Costa, 25, ativista climática

Amanda é fundadora do PerifaSustentável, e afirma que não se pode pensar em políticas ambientais sem pautar o enfrentamento ao racismo ambiental e a promoção da justiça climática, uma vez que são “pontos transversais que vão afetar qualquer área.”

Racismo ambiental, comentado por Amanda, tem relação com a ideia de que os impactos da devastação do meio ambiente não afetarão a todos da mesma forma, prejudicando com maior intensidade os grupos étnicos minoritários – como população negra que vive nas periferias.

A jovem dá como exemplo a falta de incentivo à mobilidade ativa, como caminhar ou pedalar, por exemplo, e o transporte coletivo superlotado. Fora dos transportes, Amanda comenta a falta de educação ambiental nas escolas, como trazer às salas de aula a importância da agricultura e a possibilidade de hortas urbanas – plantar o próprio alimento em áreas onde há espaço.

Segundo ela, mobilizar a própria quebrada para essas tarefas, além de ser uma forma de educação ambiental, também supre o desafio da insegurança alimentar presente no país.

Atualmente, 33 milhões de pessoas estão em situação de insegurança alimentar grave, isto é, passando fome, o que corresponde a 15% da população, mostrou o Vigisan (Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19) no Brasil, realizado com base em dados coletados entre novembro de 2021 e abril de 2022.

“E dentro desses 33 milhões, tem 17 milhões de pessoas em situação de extrema pobreza, que não faz uma refeição por dia”, diz Amanda. “Hoje a quebrada está passando fome.”

“A crise climática vai potencializar (os danos a) todos, só que em tempos diferentes. O primeiro grupo será o grupo mais vulnerabilizado. São as mulheres pretas, periféricas, quilombolas, ribeirinhas”, diz.

Moradora da zona norte, Amanda participou da COP, conferência internacional sobre o clima no ano passado @Patricia Vilas Boas/Agência Mural

Mudanças climáticas

As consequências das mudanças climáticas já são uma realidade, diz o professor Marcelo Marini, docente do programa de pós-graduação em sustentabilidade da EACH-USP (Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo).

Segundo o especialista, o aumento global da temperatura tem provocado frios intensos em alguns locais, maior incidência de eventos climáticos extremos, como furacões, tempestades, inundações, secas, e se espera inclusive alterações de correntes marítimas que ainda não se sabe ao certo quais impactos terão.

Quem vive em situação de vulnerabilidade, seja ela alimentar, social ou mesmo de moradia, evidentemente vai sofrer mais.

“Pessoas que moram em áreas consideradas de risco, como encostas, beira de rios, costas e morro, estarão mais sujeitas a problemas do que estão hoje”

Marcelo Marini, professor da EACH-USP

Para o professor, haverá mais mortes, mais riscos e fome, e não será a mudança climática responsável por fazer com que o poder público altere sua trajetória.

“Eu não acredito que falte política pública. Eu acho que a política pública é essa, de segregação, de vulnerabilidade, a péssima educação, de péssima assistência social, péssima saúde, é o modelo, essa é a política, não é falta de política.”

Este conteúdo foi produzido no âmbito do projeto Planeta Território, uma iniciativa da Território da Notícia com apoio do Instituto Clima e Sociedade para fomentar e distribuir informação de qualidade sobre a emergência climática, o contexto eleitoral e o impacto na população periférica por meio de totens digitais em estabelecimentos comerciais das periferias de São Paulo

receba o melhor da mural no seu e-mail

Patrícia Vilas Boas

Jornalista em formação. Curiosa, gosta de sol, praia e um bom livro nas horas vagas. Correspondente da Vila Curuçá desde 2019.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para republique@agenciamural.org.br

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.