APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Bruna Nascimento

Notícia

Publicado em 14.10.2021 | 11:12 | Alterado em 30.11.2021 | 16:55

Tempo de leitura: 3 min(s)

Como mulher lésbica que gosta de usar o cabelo curto, Elaine Dias, 35, teve uma experiência difícil para encontrar um cabeleireiro que a agradasse. Isso tornou-se motivação para que ela, que é barbeira, empreendesse e abrisse um local focado no público LGBTQIA+, em Suzano, na Grande São Paulo.

“A gente [LGBTQIA+] tem uma grande dificuldade em realizar tarefas muito simples e sofre preconceito em locais cotidianos: supermercado, farmácia, na rua. Então, cortar o cabelo, para a gente, às vezes é um pouco desagradável e desafiador, sabe?”, diz Elaine, conhecida como Nane.

A barbearia é especializada em cortes curtos com máquina e tesoura @Bruna Nascimento/Agência Mural

Em agosto desse ano nasceu a Lord G, barbearia especializada em cortes curtos com máquina e tesoura, independente do gênero do cliente, e que oferece um espaço acolhedor.

“Tenho certeza que outras pessoas já passaram por isso, mulheres, homens, pessoas não binárias, mulheres e homens trans. Além da questão de não saber se vai sair com a aparência que gostaria de ter, um bom corte de cabelo ou uma boa barba, ainda tem o medo de sofrer algum tipo de preconceito. A ideia é não permitir que isso aconteça.”

Segundo Elaine, o objetivo é que todos se sintam bem-vindos para cortar o cabelo no estilo que escolherem, conversar e fazer amizades. “Além de sair com um corte bacana, sair de lá se sentindo bem porque é um lugar que não existe preconceito”, explica a proprietária.

A decoração neutra também busca fugir dos padrões dos estabelecimentos de beleza convencionais, que delimitam gênero com cores como rosa (ligada a espaços femininos) e decorações como caveiras e clima de bar (normalmente em locais masculinos).

Por ter uma experiência de 12 anos como barista, unir o conceito de cafeteria e barbearia também está nos planos futuros do local recém aberto. “Quis uma coisa neutra, simples, sem arco-íris, glitter e sem caveira. A ideia é se sentir acolhido e se sentir bem”, explica.

O nome do estabelecimento foi inspirado em Lord Ganesha, deus do intelecto, da sabedoria e da fortuna segundo a religião do hinduísmo.

CABELO E AUTOESTIMA

Elaine acredita que o corte de cabelo contribui com a autoestima, é uma forma de se expressar e que por meio de técnicas de corte é possível transmitir mensagens sobre a personalidade.

Áthina Ferreira, 26, é uma das pessoas que frequentam o local. “Já fui barrada muitas vezes em barbearias quando estava com o cabelo curto e falaram que não iam cortar por eu ser mulher ou que para cabelo cacheado o único corte possível era o black [power]”, conta.

“Pode ver estampada a minha alegria de ter um espaço que além de acolher todos os tipos de pessoa na sua pluralidade ainda ser de alguém que está disposta a ousar nos cortes”, comenta Áthina.

Para Kiwi Ferreira da Silva, 18, “é bom ver a vida mais leve, principalmente quando você vai cortar o cabelo.”

Kiwi é uma pessoa não binária, transfeminina (que não se limita a ideia de homem ou mulher e sim com um gênero neutro, porém possui um grau de identificação maior com o gênero feminino) e negra. Ela conta que antes não gostava de sua aparência. A Elaine é quem cuida do cabelo dela desde que decidiu estudar barbearia.

Elaine e Kiwi na barbearia Lord G @Bruna Nascimento/Agência Mural

Elaine e Kiwi na barbearia Lord G @Bruna Nascimento/Agência Mural

Elaine e Kiwi na barbearia Lord G @Bruna Nascimento/Agência Mural

“Não conseguia cuidar do meu cabelo, não conseguia fazer nada com ele e isso me frustrava demais. E aí vim aqui e ela me mostrou o poder de usar o cabelo afro. Então muita parte da minha história com o meu cabelo foi graças a Nane.”

“Ser mulher, lésbica, barbeira e dona de uma barbearia que foca na minha galera é uma realização, só tenho a agradecer e sou muito feliz por estar conseguindo conquistar esse espaço”, comemora Elaine.

serviço

Endereço: Rua Amélia Guerra, 208B, Vila Amorim – Suzano

Horário de funcionamento: De terça a sábado, das 10h às 18h

receba o melhor da mural no seu e-mail

Bruna Nascimento

Fotojornalista, sonhadora, observadora e ouvinte de 'causos' profissional. Corinthiana maloqueira e sofredora (graças a Deus), boa sujeita, pois gosta de samba e tal qual Candeia na voz de Cartola, precisa se encontrar e vai por aí a procurar. Correspondente de Suzano desde 2019.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para republique@agenciamural.org.br

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.